E se o único ator em cena relatasse histórias que a maioria de nós só contaria para uma pessoa da mais absoluta confiança?

por Mário Baggio

E se você, numa quarta-feira, fosse ao teatro e, em vez de um espetáculo tradicional (daqueles com começo, meio e fim), assistisse a um comovente encadeamento de histórias pessoais do único ator em cena? 

E se o único ator em cena relatasse histórias que a maioria de nós só contaria para uma pessoa da mais absoluta confiança?

E se no palco não houvesse personagem, mas um ator em carne, osso, vísceras, sangue, palavras e poesia?

E se as histórias fossem contadas sem a menor sombra de drama ou vitimismo, antes em tom apaziguado, sereno e conformado, nível que se atinge após anos, talvez décadas, de muito amadurecimento e muita dor?

E se as histórias fossem contadas em meio a poemas de Mário Quintana, Drummond e Fernando Pessoa, entre outros grandes?

E se grande parte das histórias tivesse se passado numa cidadezinha do Paraná chamada Ribeirão Claro, que, por acaso, é a mesma cidade em que nasci?

E se eu tivesse conhecido, na minha infância e adolescência, vários dos personagens que fazem parte das histórias narradas pelo ator?

E se o chão do pequeno palco fosse aos poucos sendo coberto por pétalas de rosa, perfumando o ar do teatro, perfumando as palavras?

É assim “Todos os sonhos do mundo”, espetáculo a que tive o privilégio de assistir ontem, no Teatro dos Satyros.

Ao Ivam Cabral, meu respeito, minha admiração e meu amor.

Fonte: Facebook, 21 de novembro de 2019

Ator, roteirista e cineasta. Co-fundador da Cia. Os Satyros e diretor executivo da SP Escola de Teatro.
Post criado 769

3 comentários em “E se o único ator em cena relatasse histórias que a maioria de nós só contaria para uma pessoa da mais absoluta confiança?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo