OSKAR PISTORIUS, O HEROI TRÁGICO CYBORG

Por mais cyborg que seja sua condição, cedeu à sua essência humana, obscura, secreta e passional

por Rodolfo García Vázquez

Oskar Pistorius, para mim, é um dos maiores ícones do início do século XXI.

A imagem dele correndo nas Olimpíadas de 2012 é impressionante. É a certeza fotográfica de tudo o que ainda está por vir para o homem cyborg. Com suas próteses altamente elaboradas e design impecável, correu ao lado de corpos humanos tradicionais na final dos 400 metros rasos. Um dos oito homens mais rápidos do mundo não era mais o que costumamos chamar de humano. Era um cyborg.

O teatro expandido busca o diálogo profundo com esta imagem visionária de Oskar Pistorius, e todas as suas implicações. Este é o caminho dos Satyros hoje.Na semana passada, por mais cyborg que seja sua condição, cedeu à sua essência humana, obscura, secreta e passional. Matou a namorada.

Está preso.

Pistorius, o primeiro herói trágico cyborg. Lutou como gigante contra a natureza e se construi como homem expandido. Criou através de próteses hipersofisticadas uma capacidade antes inimaginável de superação da própria natureza.

No entanto, não conseguiu vencer a mais difícil dimensão da Natureza. Aquela que vivia dentro dele mesmo, complexa, intangível e cheia de demônios e mistérios.

Ator, roteirista e cineasta. Co-fundador da Cia. Os Satyros e diretor executivo da SP Escola de Teatro.
Post criado 990

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo