SATYRIANAS, MARATONA TEATRAL INICIA EDIÇÃO COM PRAÇA ROOSEVELT REFORMADA

A turma toda do teatro na caçamba, Satyrianas 2006 (foto: Andre Stefano)

Até domingo, evento vai promover leituras de textos inéditos; nesta edição, festival não será ininterrupto

GUSTAVO FIORATTI
DE SÃO PAULO

A maratona cultural Satyrianas, que o grupo de teatro Os Satyros promove na praça Roosevelt, no centro de São Paulo, comemora uma conquista na edição que começa hoje e prossegue até domingo: a praça agora está reformada.

Desde o primeiro festival, realizado no fim de 2002, a companhia chamava a atenção para o estado de abandono daquele endereço.

“Enfim, agora vamos fazer um evento sem cheiro de xixi e sem goteiras”, diz Ivam Cabral, um dos fundadores do grupo (leia ao lado), referindo-se às edificações que foram demolidas.

A reinauguração da Roosevelt em setembro passado já permitiu ocupações culturais diversas, como a manifestação política “Existe Amor em SP”, que no último dia 21 apresentou shows como o do rapper Criolo.

O formato desta edição das Satyrianas é semelhante ao dos festivais anteriores. Espalha-se pela praça em eventos ao ar livre e em três tendas principais, uma delas dedicada ao hip- hop, uma das novidade deste ano.

O evento também se instala pelos teatros dos arredores. Na São Paulo Escola de Teatro, por exemplo, será realizado um dos carros-chefes do evento, a série de leitura de peças teatrais DramaMix, em que autores apresentam textos curtos e inéditos.

A diferença é que, agora, as leituras não ocorrem continuamente ao longo de 78 horas. Sua programação se concentra entre 18h e 2h.

E, desta vez, o evento também não é ininterrupto: haverá pausas pelas manhãs, principalmente entre 5h e 12h. “Queremos respeitar os moradores”, diz Cabral.

Haverá ainda apresentações de pequenos espetáculos em lugares inusitados. Alguns serão realizados dentro de automóveis. Há peças em que o espectador fica do lado de fora de um carro parado, há outras em que a microplateia entra no veículo, que se movimenta pelas ruas.

A indicação de como chegar ao local onde os carros estarão estacionados será dada na bilheteria do festival, que fica na própria praça.

A programação será encerrada no domingo, às 22h, na São Paulo Escola de Teatro, com a exibição do documentário “Satyrianas, 78 Horas em 78 Minutos”.

O filme tem direção de Daniel Gaggini, Fausto Noro e Otávio Pacheco e retrata edições passadas do Satyrianas.

‘FOI A DEGRADAÇÃO DA PRAÇA ROOSEVELT QUE ME INSTIGOU’

IVAM CABRAL
ESPECIAL PARA A FOLHA

Minha relação com a praça Roosevelt é intensa. O local foi um dos meus redutos de diversão e ocupou o meu imaginário.

Quando, no final dos anos 1980, saí de Curitiba para viver aqui, pelo menos três lugares ali me eram inspiradores: o Cine Bijou, a boate Cais e o Corsário, um bar gay decadente.

Em meados do ano 2000, decidimos aportar com o grupo Os Satyros na praça, e sua degradação primeiro nos assustou; depois, nos instigou.

Entre sustos e sobressaltos, insistimos em fincar pé no terreno.

Porque sempre soubemos: a nós, artistas, cabe a parte mais chata da brincadeira, limpar a sujeira da sociedade e depois ser varrido junto com ela.

Quando me pedem para falar da nova praça, me ocorre lembrar que os processos de urbanização obedecem ao mesmo padrão.

E isso não tem a ver com gestões políticas. É o deus mercado comandando com seu pulso impiedoso. A nós, a resistência. Só ela.

IVAM CABRAL é um dos fundadores do o grupo de teatro Os Satyros

Fonte: Folha de S. Paulo, 1 de novembro de 2012

Ator, roteirista e cineasta. Co-fundador da Cia. Os Satyros e diretor executivo da SP Escola de Teatro.
Post criado 768

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo