Humanidade

Toda vez que eu vejo um desses caras que habitam as ruas do centro da cidade, esses que dormem nas sarjetas e andam com cobertores marrons e sujos nas costas e que a gente morre de medo deles, eu penso, sempre penso que eles foram amados algum dia. Em algum momento, pequenino que seja, alguém embalou aquele ser com algum amor. É quando eu reafirmo a minha crença na humanidade.

Ator, roteirista e cineasta. Co-fundador da Cia. Os Satyros e diretor executivo da SP Escola de Teatro.
Post criado 810

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo