CRÍTICA | A Arte de Encarar o Medo, direção Rodolfo García Vázquez

E se o mundo atual é realmente distópico e inimaginável, Os Satyros propõe um exercício audacioso em A Arte de Encarar o Medo. Como seria se esses mais de noventa dias virassem 5.555 dias de quarentena? Sem sair de casa, sem escola, sem encontros.

No universo criado por Ivam Cabral e Rodolfo Garcia Vázquez está tudo lá: política, desejos, filhos, vidas suspensas, aniversário e até carnaval on-line. Daí, fica explícito, no exagero dramatúrgico, a piração dos nossos dias.

A direção de Rodolfo toma partido das possibilidades estéticas da plataforma Zoom. Tela abre, fecha, acrescenta um quadro, dois, três, vários, em cima, embaixo, no meio… A Arte de Encarar o Medo é também sobre a encantadora capacidade humana de fazer arte com os artefatos de sua época.

No elenco há veteranos da companhia: Ivam, Eduardo Chagas, Nicole Puzzi, Diego Ribeiro, Fabio Penna, Gustavo Ferreira, Henrique Mello, Julia Bobrow, Ju Alonso, Marcelo Thomaz, Marcia Dailyn, Mariana França, Sabrina Denobile e Silvio Eduardo, e a atriz sueca Ulrika Malmgren, que participa do seu país.

Ainda conta dois artistas mirins, Nina Denobile Rodrigues e Pedro Lucas Alonso. Já César Siqueiranunca teve contato presencial com os demais atores e também integra a trupe

E na necessidade de garantir a experiência integral ao assistidor, antes do início da apresentação, repetidamente, são dadas instruções de configuração do computador ou celular. Parece que a tecnologia funciona, cria possibilidades, mas ainda é preciso domesticá-la.

Como é de esperar d´Os Satyros, a encenação busca do espectador seus medos e seus mortos, ou seja, fricciona ficção e realidade. E aí, a solidez dos fatos reforça a perplexidade da atualidade em falas cheias de dor e até em outras mais triviais como “tenho medo de ir à padaria”.

E quando a distopia ou a tragédia parece inexorável a A Arte de Encarar o Medo dá sua virada e propõe a redenção.

Como em Todos Os Sonhos Do Mundo, Ivam declama Cecília Meirelles e ao som de Guilherme Arantes, Amanhã, a montagem traz esperança. Para mais um dia? Ou, quem sabe, apenas ir à padaria?

Que os dias não estão fáceis, isso é fato. Mas, encontrar um trabalho desta envergadura, tanto como proposta estética, como mensagem, é reconfortante. Afinal, uma das melhores formas de encarar o medo é mesmo pela arte.


Serviço

Sexta e sábado às 21h, domingo às 16h.
Para saber mais, clica na agenda do blog.


FICHA TÉCNICA

Roteiro: Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez
Direção: Rodolfo García Vázquez
Elenco: Ivam Cabral, Eduardo Chagas, Nicole Puzzi, Ulrika Malmgren, Diego Ribeiro, Fabio Penna, Gustavo Ferreira, Henrique Mello, Julia Bobrow, Ju Alonso, Marcelo Thomaz, Marcia Dailyn, Mariana França, Dominique Brand, Sabrina Denobile e Silvio Eduardo
Ator convidado: César Siqueira
Atores mirins convidados: Nina Denobile Rodrigues e Pedro Lucas Alonso
Orientação visual: Adriana Vaz e Rogério Romualdo

Fonte: e-Urbanidade

Ator, roteirista e cineasta. Co-fundador da Cia. Os Satyros e diretor executivo da SP Escola de Teatro.
Post criado 1191

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo