A [nova] vida e os nossos medos numa sala de Zoom

Cabo Verde integra elenco de produção internacional pensada para a plataforma digital.

por Nuno Andrade de Ferreira

Com co-produção do Centro Cultural Português do Mindelo e participação de actores cabo-verdianos, estreou a 31 de Julho “A Arte de Encarar o Medo” (“The Art of Facing Fear”, no original, em inglês), peça totalmente desenvolvida e apresentada através da plataforma Zoom.

O projecto tem um elenco internacional, com artistas de três continentes – Europa, África e América do Sul – em torno de um texto que nos revela um mundo distópico, depois de 5.555 dias de quarentena. A pandemia é, assim, o mote para uma série de questionamentos sobre os outros e a propósito de nós mesmos.

A identificação é imediata. Está lá tudo, afinal: a solidão, o medo da morte e do outro, a tristeza, a saudade, a suspensão de direitos, a saúde mental e uma série de sentimentos e realidades vivenciados, à escala planetária, neste ‘ano de chumbo’. Uma transcrição do tempo presente, numa escala e intensidade que só a arte nos pode proporcionar.

“O ser humano tem uma necessidade de arte e de compartilhar experiências estéticas, isso vem desde que a humanidade existe. Em momentos de crise, esse desejo se torna ainda mais fundamental, mais presente. Nós estamos a viver uma crise inédita, na sua dimensão, e a arte é a forma ideal para se cuidar das dores e dos fantasmas que esta condição nos coloca”, explica Rodolfo García Vásquez, director e dramaturgo.

Rodolfo divide com Ivam Cabral a dramaturgia da produção que conhece agora uma segunda roupagem, depois da estreia, em Junho, da versão brasileira, pelo Satyros, grupo fundado em 1989. Agora, como então, tudo se passa online. Agora, como então, há a vontade de procurar novas formas de expressão artística, capazes de extravasar o confinamento.

“Os artistas procuraram desesperadamente maneiras de se expressar e o público também procurou os artistas para poder viver experiências com eles”, refere García Vásquez.

A versão internacional de “A Arte de Encarar o Medo” junta artistas de nove países. A maioria do elenco nunca se encontrou fisicamente. A partir da premissa de procurar estabelecer pontos de contacto entre realidades locais geográfica e culturalmente distintas, procura-se responder a duas perguntas: que medos tomaram conta da humanidade? Quais os efeitos da intolerância social e da política extremista?

“Essa experiência de não ter fronteiras e poder trabalhar de pontos tão diferentes do planeta, isso é incrível, inesquecível mesmo. Havia tanto entusiasmo de podermos trabalhar juntos, mesmo estando em lugares tão distantes geograficamente, que o entusiasmo suprimiu todas as carências em relação a alguns recursos técnicos”, destaca Rodolfo.

João Branco, Janaína Alves e Isabel Alves Branco formam o núcleo cabo-verdiano da peça. O actor e director do Centro Cultural Português do Mindelo fala de um “espectáculo emocionante”.

“As pessoas emocionam-se porque se identificam. Porque muitos destes sentimentos, de clausura, de solidão, de desânimo, de esperança e de amor, nós todos já os sentimos durante esta experiência radical que estamos a viver”, relata.

“The Art of Facing Fear” só pode ser visto no Zoom, sendo por isso necessária uma ligação à internet, preferencialmente estável. A entrada está sujeita à compra de ingressos, disponíveis na plataforma Universe.com. A produção terá duas sessões semanais, às sextas e sábados, durante todo o mês de Agosto.

No final de cada performance, a equipa fica à disposição dos espectadores para uma conversa sobre o espectáculo, a pandemia, o presente e o futuro da humanidade.

__________________________________________________________

Do Senegal à Suécia

Os co-produtores da peça são: Cie Kaddu (Senegal), Crown Troupe of Africa (Nigéria), Darling Desperados (Suécia), Oddmanout Theatre Company (Inglaterra), Os Satyros (Brasil), Centro Cultural Português do Mindelo (Cabo Verde), Village Gossip Productions (África do Sul), Tell-a-Tale (Nigéria), The Kwasha! Theatre Company (África do Sul), The Market Theatre Laboratory (África do Sul) e Unga Klara (Suécia).

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 975 de 5 de Agosto de 2020.

 

Fonte: Expresso das Ilhas, Cabo Verde

Ator, roteirista e cineasta. Co-fundador da Cia. Os Satyros e diretor executivo da SP Escola de Teatro.
Post criado 1070

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo