PEÇA SOBRE AMOR INVESTIGA LIMITES DA ENCENAÇÃO

Ivam Cabral em "Inferno na Paisagem Belga" (foto: Andre Stefano)

GABRIELA MELLÃO

Arthur Rimbaud afirmou em sua obra poética que o amor devia ser reinventado. Rodolfo García Vázquez, diretor dos Satyros, amplia a discussão contida na frase em “O Inferno na Paisagem Belga”.

O espetáculo, escrito por Vázquez, reestreia no sábado e se inspira na obra e no romance vivido entre Rimbaud e Paul Verlaine.

A montagem não repensa apenas as formas tradicionais de relacionamentos amorosos. Em cena, os quatro atores investigam também o comportamento humano e a maneira de fazer e apresentar arte.

Vázquez concebe uma performance que, a partir de elementos simples e do uso de projeções de vídeo, cria atmosferas poderosas, capazes de transportar o espectador para universos distintos do real.

“Abandonamos o conceito de personagem. Os atores não interpretam mais, eles ‘performam’. Não estamos preocupados em reproduzir o que aconteceu entre Verlaine e Rimbaud, mas em construir uma ação cênica que inspire as mesmas sensações vividas por eles”, explica o encenador.

Fonte: Folha de S. Paulo, 6 de dezembro de 2012

Ator, roteirista e cineasta. Co-fundador da Cia. Os Satyros e diretor executivo da SP Escola de Teatro.
Post criado 740

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo