OPINIÃO: Boneca sem cabeça foi a causa da censura a ‘Edifício London’

Os atores Davi Tostes e Samira Lochter na peça "Edifício London", sobre o caso Isabella (foto: Andre Stéfano)

MAURÍCIO PARONI DE CASTROESPECIAL PARA A FOLHA

A Justiça proibiu, por meio de uma liminar, a estreia paulistana do espetáculo “Edifício London”, que ocorreria no dia 2 de março, à meia-noite, no Espaço dos Satyros 1, na praça Roosevelt.

A peça do dramaturgo Lucas Arantes, dirigida por Fabrício Castro, foi inspirada no livro homônimo. A ação foi movida pelos advogados de Ana Carolina Oliveira, mãe de Isabella Nardoni. Para Ana Carolina, a peça seria ofensiva ao direito à personalidade.

Em 2008, Isabella, então com cinco anos, foi jogada pela janela do sexto andar de um prédio, o condomínio London, onde moravam o pai e a madrasta. Ambos foram condenados por homicídio.

Provavelmente não haveria liminar contra a peça se tudo fosse vendido como “moralmente educativo”. Na época do crime, foram tranquilamente veiculadas na TV cenas da reconstrução em que uma boneca foi atirada pela janela.

Por que foi silenciado um espetáculo que não representa, mas apenas reflete sobre o fato? Sequer presenciaram qualquer apresentação da peça.

O que censuraram foi a metáfora da boneca em que falta a cabeça. Não cuidam de bonecas fingindo serem pessoas, mas vetam a representação do assassinato de um símbolo. O senso comum age preventivamente quanto há um ataque ao comércio simbólico da personalidade.

Num teatro geralmente se faz ficção dirigida ao inconsciente do público. Um texto teatral não é a realidade, mas o “mainstream” não consegue diferir uma coisa da outra.

Ironicamente, a ação judicial gerou uma performance dramaturgicamente impecável: um espetáculo “em segredo de Justiça”.

A última coisa que aquela boneca sem cabeça representa é a menina assassinada. Entretanto, aniquila simbolicamente o consumismo acéfalo de alcance popular.

Atinge gente enfeitiçada pelo misticismo empregatício representado por seguranças e eletrodomésticos, que não admite uma linguagem que sintetize seu modo de vida.

Os símbolos com maior poder de significação histórica acabam desprezados. Vão além da falaciosa contenda “arte” X “comércio”.

A sombra do pequeno burguês não tolera nem gramática nem história. Patrocina a censura da aparência, denunciada por Pasolini. Ele pagou com a vida. Nós, com o silêncio autoimposto.

MAURICIO PARONI DE CASTRO é diretor teatral.

Fonte: Folha de S. Paulo, 14 de março de 2013

Ator, roteirista e cineasta. Co-fundador da Cia. Os Satyros e diretor executivo da SP Escola de Teatro.
Post criado 1077

Um comentário sobre “OPINIÃO: Boneca sem cabeça foi a causa da censura a ‘Edifício London’

  1. Sou contra quaisquer censuras. Mas, sinceramente não sei se assistiria a uma peça teatral com essa temática. O fato é tão absurdo e o Caso Isabela tão recente que seria impossível não relacionar os fatos. Não julgo a mãe da menina, acho que faria o mesmo . Não sei …Talvez, meu lado pequeno-burguês tenha falado mais alto. A gente se acha tão moderno, revolucionário; tacha a todos de “caretas”… enfim, é pra se refletir … Porém, acho tbém que quem deveria censurar a peça (assim como qquer outro tipo de expressão artística) é o público espectador. Como eu já citei: não sei se iria … portanto, caberia a mim decidir .De coração, boa sorte!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo