REVISTA DE CINEMA | Festival SatyriCine Bijou exibe 10 longas e 12 curtas inéditos e homenageia a atriz Gilda Nomacce

O Festival SatyriCine Bijou 2024 acontece de 11 a 21 de julho, na Sala Patrícia Pillar do Cine Satyros Bijou, em São Paulo, e exibe 10 longas e 12 curtas inéditos de cineastas emergentes na Mostra Competitiva, além da Mostra Homenagem, celebrando a atriz Gilda Nomacce, aos 40 anos de carreira e mais de 100 personagens.

A abertura acontece no dia 11 de julho, às 20h30, com um coquetel para convidados, seguido da exibição do filme “Os Humores Artificiais”, da Mostra Homenagem, show musical e apresentação da programação do festival.

O júri deste ano é composto por Aimar Labaki, Jeferson De, Julia Bobrow, Luh Maza e Tuna Dwek. A cerimônia de premiação está marcada para o dia 20 de julho, às 20h30, com coquetel, exibição do filme “Lilith” (foto), da Mostra Homenagem, entrega de troféus e show musical. No dia 21 de julho serão reexibidos os filmes premiados na Mostra Competitiva. Os competidores, tanto curtas quanto longas, concorrem em 13 categorias: Melhor Filme, Melhor Direção, Melhores Intérpretes, Melhor Roteiro, Melhor Fotografia, Melhor Montagem, Melhor Trilha Musical, Melhor Direção de Arte, Melhor Desenho de Som e Prêmio Especial do Júri (caso houver).

A edição de 2024 homenageia a atriz Gilda Nomacce com o Troféu Helena Ignez. Além disso, o festival promove uma Mostra Homenagem, com a exibição de alguns dos principais trabalhos da atriz, como o longa “Ausência” (2014), com direção de Chico Teixeira, e o curta “O Duplo” (2012), dirigido por Juliana Rojas.

Gilda é uma veterana do cinema e teatro brasileiros, conhecida por sua atuação versátil e presença constante em obras de cineastas independentes. Nascida em Ituverava, interior de São Paulo, Gilda descobriu seu dom para a atuação ainda na infância. Formou-se na City Lit School of Art, em Londres. Nos Estados Unidos, realizou residência artística no Watermill Center, coordenado pelo encenador Robert Wilson, e, em 2009, fez nova imersão em Moscou, no teatro de Tabakov. No Brasil, integrou o Centro de Pesquisa Teatral (CPT), coordenado por Antunes Filho, durante cinco anos, atuando em montagens como “Fragmentos Troianos” e “Medeia”, de Eurípedes.

Em 2003, ao lado de atores do CPT, fundou a Companhia da Mentira, cujo primeiro trabalho foi “O que Você Foi Quando Era Criança?”, de Lourenço Mutarelli, direção de Donizeti Mazonas e Gabriela Flores, indicado ao prêmio Shell de melhor texto. Em 2007, o grupo montou “Soslaio”, de Priscila Gontijo. Em 2009, realizou a montagem “Music-Hall”, de Jean-Luc Lagarce. Nesse mesmo ano, na Cia. Os Satyros, atuou em “Safo”, de Ivam Cabral, com direção de Silvanah Santos.

No cinema, Gilda atuou no curta-metragem “Um Ramo”, direção de Marco Dutra e Juliana Rojas, premiado na Semana da Crítica do Festival de Cannes em 2007. Também participou de “Um sem um Segundo”, direção de Sabrina Greve, e do vídeo “Como Manter um Nível Saudável de Insanidade”, de Rafael Gomes e Mariana Bastos. Dirigida por Helena Ignez, participou do longa-metragem “Luz nas Trevas”, em 2010. Sua parceria com a cineasta paulistana Juliana Rojas resultou em filmes como “Trabalhar Cansa” (2011) e “As Boas Maneiras” (2017).

Em 2014, atuou ao lado de Regina Duarte no longa-metragem “Gata Velha Ainda Mia”, de Rafael Primot, e no longa-metragem “Quando Eu Era Vivo”, de Marco Dutra, com Antônio Fagundes, Marat Descartes e Sandy Leah. Ainda em 2014, participou da montagem de “Gotas d’Água sobre Pedras Escaldantes”, de Rainer Werner Fassbinder, dirigida por Rafael Gomes, ao lado dos atores Luciano Chirolli, Felipe Aidar e Nana Yazbek, pela qual foi indicada ao Prêmio Shell. Em 2015, participou do filme “Califórnia”, dirigido por Marina Person.

Participou de festivais internacionais integrando o elenco de filmes brasileiros premiados nesses eventos, como “Três Tigres Tristes” (2022 – Teddy Award, Berlim), “As Boas Maneiras” (2017 – Prêmio Especial do Júri, Locarno), “Os Humores Artificiais” (2016 – EFA Award, Berlim), “Meu Nome é Bagdá” (2020 – Grand Prix Generation, Berlim) e “Céu de Agosto” (2021 – Menção especial da competição oficial, Cannes), entre outros. Entre os projetos mais recentes estão a segunda temporada de “Cidade Invisível” (Netflix) e “Desejos S.A.” (Star+).

A entrada para as sessões do festival é gratuita e os ingressos devem ser retirados na bilheteria do cinema uma hora antes de cada sessão.

Festival SatyriCine Bijou
Data: 11 a 21 de julho
Local: Cine Satyros Bijou – Sala Patricia Pillar, Praça Roosevelt, 172, São Paulo, SP

 

Fonte: Revista de cinema

Post criado 479

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo