“‘Adormecidos’, direção espetacular”

Por Daniel Martins

Recém chego do teatro, após ver mais uma ótima encenação do grupo Satyros, no caso a obra “Adormecidos”, baseada no texto de Jon Fosse. Trata-se de uma dramaturgia peculiar, indo e vindo em tempos indefinidos, entre a realidade, o onírico e o fantasmagórico.

Dois casais em cena, expondo o conflito tanto do próprio relacionamento amoroso, seja pelo desinteresse de um ou pela doença de outro, quanto da própria vida, essa personagem que nos faz questionar os acontecimentos mais corriqueiros. Por que devemos comer sempre num determinado horário? Por que os dias são dispostos um atrás o outro e devemos fazer sempre o mesmo?

Uma iluminação sutil e poderosa ao mesmo tempo, como era de se esperar. Um jogo de espelhos em que não somente o casal em cena estão refletidos, mas o próprio publico que assiste a performance. Um texto recheado de subtextos, subentendidos e silêncios significativos. Atores afinados, em perfeita simbiose uns com os outros, executando uma coreografia corporal impecável. Os passos são dados com precisão e cada gesto tem uma relação com o que vem em seguida ou com aquele que foi demonstrado anteriormente.

Rodolfo García Vázquez mais uma vez realiza uma direção espetacular. Bom saber que nós sempre estaremos aqui, sozinhos e juntos ao mesmo tempo.

Num dia paulistano como hoje, de céu nublado e clima mais fresco, assistir a “Adormecidos” me fez sentir em São Paulo em pleno Rio de Janeiro.

Quem tiver interesse, a peça será exibida mais uma vez no domingo dia 31, no Teatro Gláucio Gill, ao lado da estação de metro Cardeal Arcoverde, em Copacabana, às 20h. Apresentação gratuita, parte do FESTLIP 2014.

Foto: André Stefano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.